Blogue da Escola Secundária de Amora. Espaço de partilha de iniciativas desenvolvidas pelos alunos, no âmbito da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento ou de atividades com ela relacionadas. A Educação para a Cidadania procura explicitar, no contexto do viver coletivo, a relação íntima entre Conhecimentos e Valores, visando uma participação Cívica cada vez mais ativa, esclarecida e responsável.

2020-2021: Cidadania em contexto de pandemia

O presente ano letivo retomou o processo de ensino-aprendizagem presencial, ainda que com grandes condicionalismos decorrentes da situação de pandemia que estamos a viver. Apesar de condicionado, o exercício da Cidadania, dentro e fora da escola, não está suspenso. Alguns apontamentos sobre esse exercício.

Em janeiro

Os alunos da turma 9.º B querem dar conta do trabalho que, neste momento,  estão a realizar e fazem um apelo:

Todos podemos contribuir para o desenvolvimento sustentável

Como? O seguinte objeto merece ir para o caixote do lixo?

Claro que não! Tragam qualquer rolha de cortiça que tenham em casa e coloquem na árvore que está na Polivalente, pois a sua devolução, através do projeto “GREEN CORK ESCOLAS”, ajuda a que sejam plantados novos sobreiros no nosso país, o que melhorará o ambiente e o ar que respiramos. Pequenos gestos fazem a diferença. 

Os alunos do 9. º B agradecem.

Estes alunos estão também a elaborar cartazes com o título “Elogio ao sobreiro”, com o objetivo de chamar a atenção para a importância desta iniciativa. A tarefa irá ser concluída na aula de Educação Visual.



Cidadania com Parcerias

A parceria entre a ESA e a Câmara Municipal do Seixal, no âmbito do programa Povos, Culturas e Pontes, tem possibilitado, desde o ano letivo 2018-2019, uma colaboração estreita entre a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento e algumas ONG, como é o caso do CIDAC (Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral) e da Rato  (Associação para a Divulgação Cultural e Científica). Deste modo, são múltiplas as ocasiões em que essas organizações cooperam, dentro ou fora da sala de aula, com professores e alunos no desenvolvimento de projetos. 

Também a parceria com o ISCSP-UL (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, da Universidade de Lisboa), iniciada no ano letivo anterior, originou uma profícua cooperação, com prosseguimento no presente ano, entre o ensino universitário e o ensino secundário, no âmbito da Educação para a Cidadania.

Alguns registos de trabalhos que foram e estão a ser desenvolvidos.


Em dezembro

A 11 de dezembro, dia seguinte à celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, a turma do 11.º TC/TG convidou a turma do 10.º F, que nas aulas de Cidadania e Desenvolvimento está também abordar o domínio dos direitos humanos, para uma partilha do trabalho até agora levado a cabo e para uma reflexão conjunta. 

Foi no auditório da escola que essa partilha se realizou. Foram apresentadas situações reais de violação dos direitos humanos, presenciadas e sentidas por vários dos alunos presentes, em particular comportamentos racistas e xenófobos. A preocupação e a indignação com estes problemas estiveram sempre presentes, assim como o modo de civicamente os combater. Da partilha fez parte uma pequena teatralização apresentada por alunos do 10.º F, sobre, precisamente, um episódio racista.












No auditório, momentos antes do início da partilha entre as duas turmas.








Momento de preparação para a teatralização.


No dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, a turma do 11.º TC/TG promoveu uma atividade na escola que constituiu um contributo prático e, por conseguinte, um exercício de cidadania na defesa dos Direitos Humanos: afixaram cartazes, por si escritos e desenhados, em todos os pavilhões e procederam à colocação de uma faixa, de cujo conteúdo também são responsáveis, no gradeamento da entrada da ESA, assinalando, deste modo, uma data que marca a história da humanidade. Duas alunas da turma e o diretor da escola assinalaram o momento com discursos que enfatizaram a importância do respeito pelos direitos humanos em todos os locais: na escola, no país, no mundo.

Faixa no gradeamento da entrada da ESA e alunos do 11.º TC/TG.

 Afixação de cartazes nos pavilhões.
Alunas do 11.º TC/TG e diretor da escola, no momento dos discursos.
(Agradecimento à nossa professora bibliotecária pela partilha do vídeo)

O texto, na íntegra, do discurso elaborado pela turma e proferido pelas alunas: 
«Nós somos alunos do 2.º ano do Curso de Comércio e Gestão e, em parceria como CIDAC (uma organização que, entre outras atividades, promove o comércio justo) escolhemos, como um dos domínios para trabalharmos nas aulas de Cidadania e Desenvolvimento, os Direitos Humanos. Escolhemos este domínio, porque acreditamos que este é um assunto que deve ser sempre defendido para o bem-estar de todos nós. Como tal, e porque hoje, dia 10 de dezembro, se comemora o Dia Internacional dos Direitos Humanos, não podíamos deixar passar este dia em branco. Queremos celebrar esta data para honrar o dia em que a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou, a 10 de dezembro de 1948, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e queremos também homenagear o empenho e a dedicação de todos os cidadãos defensores dos direitos humanos.
Já é altura de colocarmos um ponto final em todos os tipos de discriminação, promovendo a igualdade entre todos os cidadãos.»

......................

O ISCSP-UL colaborou com a turma do 10.º A na abordagem do domínio da Igualdade de Género, partilhando, no presente mês, algumas das conclusões das sessões realizadas com os alunos em outubro.

Momentos da abordagem de alguns conceitos-chave presentes nas conceções dos nossos alunos acerca dos estatutos de homem e mulher, na nossa sociedade,
A igualdade traduzida em equidade entre os géneros foi o ponto essencial da reflexão partilhada e do debate realizado.

Em novembro

As sessões oficinais, iniciadas em outubro, prosseguiram no mês de novembro. 

Tendo como sugestão de partida,  apresentada pela  Associação Rato, um conjunto disperso de termos, os alunos da turma 11.º F discutem, em grupo, quais desses termos consideram essenciais para integrarem o  seu conceito de Saúde.


Inserido no projeto Jovens Embaixadores do Comércio Justo, em parceria com o CIDAC, a Turma do 11.º TC/TG prepara, para o dia 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos, uma intervenção cívica na ESA. Os alunos discutem as atividades que consideram pertinentes desenvolver, com o objetivo de assinalarem publicamente o significado do Dia Internacional dos Direitos Humanos.








Cenas de um jogo de futebol feminino e de um outro masculino integram uma sessão oficinal de motivação para
problemas inerentes ao domínio da igualdade de género. 
Com a colaboração da Associação Rato,
os alunos da turma 10.º TGPSI debatem conceitos e identificam problemas decorrentes de múltiplas situações de desigualdade de género que as sociedades mantêm.

Um vídeo narrando uma situação real é a porta de 
entrada para o complexo domínio da Interculturalidade.

Participação ativa dos alunos do 8.º D, 
com a apresentação de diferentes pontos de vista, no momento da reflexão partilhada sobre o problema suscitado no vídeo.








Compreender o desenvolvimento sustentável para informada e conscientemente assumir uma posição ativa de cidadania esclarecida é o objetivo final a atingir. Até lá, existe um percurso a fazer. A Associação Rato veio ajudar os alunos do 12.º F a realizar esse percurso.


Pilares para um desenvolvimento sustentável?


Reflexão em grupos.
Pesquisando as rotas
dos produtos que consumimos

Procurando o país de origem de uma garrafa de plástico.


Em outubro

Iniciaram-se neste mês sessões oficinais nas turmas 10.º A, 10.º G, 10.º H, 11.º B, 11.º G e 11.º TC/TG. Nesta fase inicial de escolha dos domínios a trabalhar, as sessões tiveram dois objetivos principais: através do exercício da reflexão partilhada e dialogada, motivar e escrutinar possibilidades de trabalho nos domínios escolhidos.  
Registos de alguns desses momentos.




A turma do 10.º G sendo convidada a refletir sobre problemas relativos aos Direitos Humanos, com a cooperação da Associação Rato.





Alunos do 11.º TC/TG analisando, em grupo, as relações entre o comércio justo e os Direitos Humanos. Sessão oficinal, com a colaboração do CIDAC, cumprindo a regra sanitária do distanciamento físico.


A partir do videoclipe If I Were a Boy, da cantora Beyoncé, os alunos da turma 10.º H, com 
a colaboração da Associação Rato, iniciam o escrutínio de problemas 
suscitados pela desigualdade de género.





Ainda em outubro, a Associação Rato partilhou e debateu com os professores de Cidadania e Desenvolvimento, da ESA, algumas das estratégias que implementa no âmbito da educação não formal.



A sessão decorreu no auditório da ESA.


2019-2020: o ano em que a Cidadania se cruzou com uma pandemia

O ano letivo 2019-2020 foi interrompido pelo surgimento de uma pandemia que fez parar grande parte da atividade humana e, por consequência, também as atividades letivas presenciais. Muitos dos projetos de Cidadania e Desenvolvimento que estavam em curso não puderam ser concluídos conforme estava previsto, ainda que tenha havido um grande esforço por parte de alunos e de professores para encontrarem no fenómeno pandémico, que se passou a viver, novos motivos para o exercício da cidadania — esforço realizado em condições muito difíceis de ensino e de aprendizagem a distância.

Fica o registo de atividades relativas a alguns projetos, cuja conclusão foi anterior à interrupção letiva presencial, e de dois vídeos relativos a projetos realizados durante o período de confinamento. À semelhança do ano anterior, a recolha de fotos foi ocorrendo sem preocupações de cobertura exaustiva de todo o trabalho realizado.

Neste segundo ano, a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento passou a integrar o currículo do 7.º, 8.º, 10.º e 11.º anos (ensino regular e ensino profissional).


Antes da pandemia




A turma do 8.º B esteve no 1. º Encontro de “Team Leaders: Youth Lab for inclusion”. Este evento teve como objetivo o de proporcionar a partilha, entre alunos de treze escolas do nosso distrito, dos resultados dos projetos pela Inclusão Social, realizados durante o ano letivo anterior. No caso das propostas elaboradas pelos nossos alunos, em parceria com a APCAS (Associação de Paralisia Cerebral de Almada e Seixal), resultou a construção, realizada pela Junta de Freguesia de Amora, de quatro passadeiras rebaixadas, com piso antiderrapante. As propostas feitas pelos nossos alunos, no âmbito da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, e a colaboração da autarquia foram um contributo para a melhoria das condições de mobilidade dos cidadãos.
















Uma Mostra de Produtos de Comércio Justo, realizada na sala polivalente, levada a cabo pelos alunos do 10.º TC/TG— no âmbito do projeto Jovens Embaixadores do Comércio Justo, resultante de uma parceria com o CIDAC —, assim como pelos alunos do 10.º e 11.º anos de Comércio e os do 11.º de Gestão.



No final do 1.º Período, a mesma turma do 8.º B participou na Conferência Final da APCAS (Associação de Paralisia Cerebral de Almada/Seixal). A Conferência realizou-se no Cineteatro Joaquim de Almeida, no Montijo, onde os alunos de 25 escolas do distrito de Setúbal tiveram a oportunidade de conhecer e dar a conhecer os projetos de inclusão social, realizados no âmbito da disciplina de Cidadania e Desenvolvimento.

 


O Dia da Interculturalidade, na ESA, organizado pelas turmas 10.º E, 10.º F e 10.º H, teve a participação das turmas 10.º TT, 11.º TAI, 11.º TAS, e 11.º TGPSI. Objetivo: mostrar que qualquer dia pode ser dia de espírito intercultural. No auditório ocorreram performances preparadas por professores e alunos, em que se evidenciaram virtualidades da partilha cultural, e um debate, em que se refletiu sobre a vivência da interculturalidade, através de testemunhos de vida. No polivalente outras atividades foram desenvolvidas: exposição de trabalhos e de artigos de muitos países; partilha de gastronomias e momentos de dança. Nos pavilhões, foram afixados poemas e mensagens.













Uma palestra organizada pela turma 11.º TT, que teve duas partes: a primeira, sobre o tema "Ansiedade e Depressão" (com a colaboração da nossa psicóloga do SPO) e, a segunda, sobre "Vacinação" (com a colaboração de duas enfermeiras). Esta iniciativa foi parte de um projeto no domínio da Saúde.

.







Auditório: apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos das turmas 11.º A, sobre a Igualdade de Género, e 11.º H, sobre a Educação Ambiental, que contou com a presença de um encarregado de educação.




 

Palestra organizada por alunas da turma do 11.º TAI. Esta iniciativa teve como tema «A Violência contra a Mulher» e contou com a participação da APAV. Diversas situações de violência, como o abuso sexual de crianças, o assédio sexual, o bullying, a devassa da vida privada, a difamação e a injúria, a violência doméstica e violência sexual foram tratadas durante a palestra. O trabalho desenvolvido há já 30 anos pela APAV serviu de pretexto para ser evidenciada a importância do trabalho de Voluntariado, um dos domínios da Cidadania e Desenvolvimento. 






Três turmas — 8.º A, 11.º H e 11.º TAI— representaram a ESA e participaram ativamente no debate promovido pela Câmara Municipal do Seixal, sobre o tema «Igualdade de Género: Mitos e Verdades». Esta evento contou com a presença da vereadora do pelouro da Cultura, um membro da Assembleia Municipal, uma professora e uma mestranda do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), da Universidade de Lisboa, e representantes do MDM e da UMAR.



Dois dos trabalhos elaborados no decurso da pandemia

Trabalho sobre Igualdade de Género elaborado por uma aluna da turma 10.º E.

Trabalho sobre Violência de Género realizado por alunas da turma 10.º F.

2018-2019: o início de um percurso de Cidadania

Recordamos algumas das atividades desenvolvidas pelos nossos alunos no ano letivo 2018-2019, ano em que, pela primeira vez, Cidadania e Desenvolvimento foi introduzida no currículo da ESA, nas turmas do 7.º e do 10.º anos (ensinos regular e profissional).

As fotos que se seguem assinalam alguns dos caminhos percorridos, não abrangem nem pretendem abranger todo o trabalho realizado. Os registos fotográficos foram acontecendo espontaneamente, ora por iniciativa dos alunos ora por iniciativa dos professores, não tendo havido a preocupação de cobertura sistemática de todas as atividades desenvolvidas. Deste modo, houve naturalmente trabalhos realizados por algumas turmas, dentro ou fora da sala de aula, de que não foi feito registo fotográfico. Aliás, o processo de registo, por via fotográfica ou vídeo, e posterior divulgação deve muito à iniciativa da nossa Professora Bibliotecária.


Começando pelos mais novos

As três turmas do 7.º ano integraram o Projeto Povos Culturas e Pontes, da Câmara Municipal do Seixal, no âmbito do qual foram desenvolvidas parcerias com o CIDAC (Centro de Intervenção para o Desenvolvimento Amílcar Cabral) e com a Fundação Gonçalo da Silveira, duas ONG dedicadas ao domínio do Desenvolvimento. Os projetos foram centrados nas áreas do Comércio Justo, do Trabalho e da Interculturalidade. No final, foi feita uma apresentação pública dos trabalhos produzidos à comunidade educativa.

Algumas fotos de atividades desenvolvidas.










Alunos do 7.º A, no decurso de uma aula que teve a colaboração da Fundação Gonçalo da Silveira, desenvolvendo uma atividade relativa a problemas derivados de processos migratórios.









Alunos do 7.º B, numa aula que tratou de problemas derivados da automatização da produção, com mesma colaboração da Fundação Gonçalo da Silveira.



Alunos do 7.º C desenvolvendo uma atividade relativa aos Circuitos Curtos de Comércio, com a colaboração do CIDAC.
 





Exposição, na polivalente, e, no auditório, apresentação pública dos trabalhos à comunidade educativa, com a participação da Câmara Municipal do Seixal, do CIDAC, da Fundação Gonçalo da Silveira e do Conselho Português para a Paz e Cooperação.




Alunos do 7.º B na realização de uma atividade que lhes permitiu experienciar algumas das dificuldades com que os seus colegas com deficiência visual se confrontam. Esta e outras atividades desenvolvidas em torno da temática da inclusão social decorreram de um projeto de parceria com a APCAS – Associação de Paralisia Cerebral de Almada e Seixal.












No final do ano letivo, a turma do 7.º C partilhou com outras escolas o trabalho desenvolvido em Cidadania e Desenvolvimento, na Feira de Projetos Educativos, levada a cabo pela Câmara Municipal do Seixal.



Prosseguindo com os mais crescidos

As turmas do 10.º anos (ensino regular e ensino profissional) desenvolveram diversos projetos ao longo do ano, com diferentes atividades. 
Deixamos os registos de alguns momentos dessas atividades.


O Dia Global da Dignidade foi assinalado com a realização de dois debates. O ponto de partida foi a pergunta «Que é a Dignidade?». Na busca de respostas, foram percorridos problemas como a violência doméstica, o assédio moral nas escolas, o racismo, a xenofobia  
e os refugiados de guerra. Um dos objetivos destes debates foi o de apoiar os projetos relativos ao domínio dos Direitos Humanos, que os alunos estavam a iniciar em Cidadania e Desenvolvimento.



Imagens da “Mostra Intercultural”, organizada pela turma 10.º TT. Foram diversos os trabalhos realizados dos quais resultaram uma mostra de culturas existentes entre os alunos da turma. A interculturalidade foi abordada através da música, vestuário, gastronomia, comunicação (saudações), estrangeirismos e numa palestra com a Associação Esperança, da Quinta da Princesa.














Turma 10.º TAI, em um trabalho de dramatização relativo  
aos Diretos Humanos, no auditório da escola.















Turma 10.º TGPSI, no trabalho de apoio técnico à dramatização.








Ambas as turma (10.º TAI e 10.º TGPSI), na Futurália, representando a nossa escola, com diversas dramatizações sobre o domínio dos Direitos Humanos. As cenas dramatizadas puseram em evidência o racismo e a xenofobia, a homofobia, a violência nos relacionamentos, o terrorismo e a guerra.

As turmas 10.º A e 10.º B, em visita de estudo ao Oceanário, pensando na defesa da biodiversidade e na responsabilidade de cada um de nós na prevenção da extinção de espécies.



Os Direitos Humanos, no Dia da Mulher, foram o mote para a apresentação dos trabalhos dos alunos do 10.º D, no auditório. As turmas convidadas a participar tiveram oportunidade de 
debater alguns aspetos mais relevantes dos diferentes trabalhos realizados.Uma encarregada de educação também esteve presente.  











As turmas 10.º G e 10.º H, da partilharam os seus trabalhos sobre os domínios da Interculturalidade e dos Direitos Humanos com alunos de outras turmas. Apresentações reflexivas, vídeos e canções criados pelos próprios alunos foram algumas das atividades desenvolvidas no auditório, que também contou com a presença de uma encarregada de educação.











O momento da entrega de alimentos ao Banco Alimentar pelos alunos do
10.º F. A responsável do Banco Alimentar deslocou-se à ESA para recolher os alimentos enlatados, como leguminosas, atum e leite e agradeceu a ação dos alunos, deixando a todos o convite para serem voluntários por um dia, nas instalações do Banco Alimentar, em Palmela.





 


A turma do 10.º TAS, desenvolvendo uma atividade no Congresso da Saúde.



«Os animais não humanos também têm direitos?» foi a pergunta de partida para um debate sobre um problema em análise em todo o mundo. Durante hora e meia, houve uma discussão muito participada. A par da apresentação de argumentos, foi clara a consciência dos alunos sobre a pertinência do debate de ideias mas também sobre a complexidade e dificuldade do tema. O debate teve a moderação de alunos do 12.º C e constituiu um apoio a projetos de Cidadania e Desenvolvimento.


Concluindo com uma reunião de trabalho

O primeiro ano de Cidadania e Desenvolvimento foi concluído, no auditório da escola, com uma reunião de trabalho de avaliação do percurso realizado e de projeção do ano seguinte. A reunião teve a participação de representantes dos alunos das turmas do 7.º e 10.º anos, do presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação, dos professores responsáveis pela componente curricular Cidadania e Desenvolvimento, de todos os professores da escola, da professora bibliotecária, do coordenador de Cidadania e do diretor da ESA.

Foi uma manhã dedicada ao escrutínio do que foi realizado, com ampla participação dos presentes. Foram identificados aspetos positivos, foram analisados aspetos negativos e dificuldades encontradas e foram desenhadas possibilidades a desenvolver no segundo ano de concretização da nova componente curricular.





















Alunos do 7.º ano e suas professoras participando na reunião.


Alunos do 10.º Ano intervindo.














Presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação da ESA e professores de Cidadania e Desenvolvimento intervindo na reunião de trabalho.

















Professores do 10.º ano responsáveis por Cidadania e Desenvolvimento expondo os seus pontos de vista. 

Professores da ESA. Foram vários os colegas que tiveram participação ativa na reunião de trabalho, salientando elementos positivos e negativos, em relação ao primeiro ano de Cidadania e Desenvolvimento, e apresentando propostas para o futuro.